domingo, junho 17, 2018


17 de junho: Dia Mundial de Combate à Desertificação e a seca

Hoje, 17 de junho, é comemorado o Dia Mundial de Combate à Desertificação e a seca. Esta data é uma oportunidade para reflexões sobre a própria condição do semiárido e as estratégias que precisam existir para lidar com esse fenômeno. A data foi criada em 1994. Na Europa 22% do solo está erodido. Grande parte do sul do continente pode se desertificar até o ano de 2050. Alternativas seriam, por exemplo, o reuso da água.
Muitos cientistas procuram associar a intensificação dos processos de desertificação e secas com as mudanças climáticas. De acordo com essa corrente de pensamento, serão mais prolongados os períodos de estiagem. Possíveis consequências são a desestruturação produtiva e a geração de maior números de conflitos, guerras e refugiados. Em vista da importância do tema, verifica-se a necessidade de políticas públicas que apresentem soluções. Considera-se estratégico o debate da temática no contexto dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).
No Núcleo de Engenharia, Ciência e Sustentabilidade do Semiárido (NUPECS), em funcionamento na zona rural de Caiçara do Rio do Vento, no estado do Rio Grande do Norte, temos recebido grupos de estudantes e professores para debater sobre quais estratégias podemos desenvolver para diminuir o impacto de populações no meio ambiente e como podemos conviver melhor com as condições encontradas no semiárido. No último dia 14 de junho, recebemos estudantes da Escola Estadual Floriano Cavalcanti, da cidade de Natal.
Um enfoque especial explorado na visita ao NUPECS, foi quanto ao tema espacial. Ciência e tecnologia espaciais associadas podem apresentar importantes caminhos inovadores no sentido de se imaginar novas formas de convívio com o semiárido. Uma dessas compreensões seria a concepção e desenvolvimento de habitats autossustentáveis que apresentem às pessoas, que venham a habitar nesses locais, condições favoráveis de sobrevivência. Esse locais devem permitir aproveitar recursos escassos realizando o reaproveitamento da água, a reciclagem de resíduos, a produção de alimentos e a geração da própria energia, tudo isso associado a uma boa condição de conforto e segurança. É isso o que ocorre na Estação Internacional Espacial ou ISS (International Space Station) e é isso que ocorrerá nas primeiras estações de pesquisa a se instalarem no planeta Marte e é essa a proposta inovadora de pesquisa empreendida na estação de pesquisa análoga à Marte, Habitat Marte, que funciona no NUPECS, em Caiçara do Rio do Vento. Trata-se da primeira estação de pesquisa análoga à Marte a funcionar na América do Sul e a quarta no mundo. Acreditamos que projetos inovadores como o Habitat Marte contribuam para lidar com a desertificação e a seca. Mais informações sobre o Habitat Marte podem ser encontradas em: www.HabitatMarte.com.

Adm. Julio Francisco Dantas de Rezende
UFRN, FAPERN e CRA-RN
www.juliorezende.com

sábado, maio 26, 2018

O Brasil é um relógio quebrado!



O Brasil é um relógio quebrado! Hoje é sábado, 26 de maio de  2018. Assisto a cobertura ao vivo da paralização dos caminhoneiros.
O Brasil é um relógio quebrado! Nessa analogia, os ponteiros, que estão parados, podem ser compreendidos como os caminhões estacionados em quase mil diferentes pontos em rodovias de todo o Brasil. Nos decepcionamos ao examinar esse relógio que não movimenta seus ponteiros!
Os ponteiros não funcionam por uma razão mais profunda. Em uma simples análise, os ponteiros só estão parados por suas engrenagens não mais funcionarem. Enferrujaram sem manutenção, sem cuidado, sem atenção.
O Governo Federal não consegue acompanhar mais as demandas da sociedade e da economia. O mundo, o tempo, está passando mas o governo é inerte para empreender as reformas necessárias.
Não consertamos um relógio pelos seus ponteiros, mas por sua engrenagem, melhorando, aprimorando, fazendo os consertos que são necessários e que exigem responsabilidade.
O Brasil perdeu seu tempo. Perdeu suas oportunidades de reformas, de empreender melhorias, de reduzir seus gastos, de melhorar a infraestrutura, de investir na diversificação de modais de transporte.
Quanto sofrimento! Sofrimento com uma classe política que não teve coragem de cortar benefícios, de empresas fechadas, de prejuízos, de baixo ou nenhum crescimento econômico, de pessoas presas, tristes e traumatizadas em aeroportos sem combustível!
O Brasil é um relógio quebrado! Este governo conseguirá consertar?


Adm. Julio Francisco Dantas de Rezende
UFRN/FAPERN/CRA-RN

terça-feira, janeiro 30, 2018

Este ano promete em termos de muitas realizações a resultados no campo da sustentabilidade, Marte, tecnologias sociais, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e Tecnologias Limpas.

A realização de várias experiências e desenvolvimento de inovações apresentam-se como importantes conteúdos a serem compartilhados via palestras, artigos, livros e congressos.

,Julio Rezende.

quinta-feira, dezembro 28, 2017

Habitat Marte divulga datas de missões de pesquisa para o ano de 2018

O projeto brasileiro pioneiro Habitat Marte, estação de pesquisa sobre Marte e o semiárido, em desenvolvimento no Rio Grande do Norte, divulga o calendário de missões de simulação de Marte e ambientes análogos para o ano de 2018:
Missão 02 - 19-21/01/2018,
Missão 03 - 16-18/02/2018,
Missão 04 - 09-11/03/2018,
Missão 05 - 13-15/04/2018,
Missão 06 - 25-27/05/2018,
Missão 07 - 15-17/06/2018,
Missão 08 - 20-22/07/2018,
Missão 09 - 17-19/08/2018,
Missão 10 - 21-23/09/2018,
Missão 11 - 19-21/10/2018,
Missão 12 - 09-11/11/2018,
Missão 13 - 07-09/12/2018.

Podem se candidatar estudantes de universidades, professores e profissionais em geral para o desenvolvimento de missões de pesquisas a acontecerem em algumas das datas citadas.

As equipes podem ser de 4 a 5 membros que devem apresentar propostas de pesquisas individuais ou em conjunto. A estação Habitat Marte se localiza na cidade de Caiçara do Rio do Vento, a 100 km de Natal, em pleno semiárido nordestino.

Mais informações sobre as missões podem ser obtidas em: www.HabitatMarte.Blogspot.com.

A primeira missão foi realizada em dezembro de 2017. Alguns resultados da primeira missão podem ser encontrados em: www.HabitatMarte.Blogspot.com.

Os participantes receberão certificado de participação com carga horária de 48 horas.


Mais informações podem ser obtidas por e-mail ou através do e-mail: juliofdrezende@hotmail.com ou pelo telefone/Whatsapp: 84 99981-8160 (prof. Julio Rezende –-UFRN).

segunda-feira, dezembro 11, 2017

Relatório da missão 1 do Habitat Marte - 8 a 10 de dezembro de 2017



10 de dezembro de 2017

Aconteceu no período de 8 a 10 de dezembro de 2017 a primeira missão de simulação de Marte na América do Sul, na estação de pesquisa Habitat Marte, em funcionamento no Núcleo de Pesquisas em Engenharia, Ciência e Sustentabilidade do Semiárido (NUPECS) na cidade de Caiçara do Rio do Vento, no estado do Rio Grande do Norte.  A primeira equipe a realizar a missão de pesquisa no Habitat Marte foi composta por três graduandos e um professor da UFRN.
Durante o período de funcionamento da missão foram realizadas atividades como: 1 - Coleta de amostra de solo e minérios; 2 - Observação astronômica; 3 – Avaliação e melhoria dos sistemas de apoio à vida no Habitat Marte; 4 – Teste, melhoria e avaliação dos trajes espaciais e do Módulo Autônomo de Resfriamento Sustentável. A avaliação foi realizada durante o desenvolvimento das Atividades Extra-veiculares (EVA). 5 – Foram avaliadas a operacionalização de atividades intraveiculares (IVA), ações que são realizadas no interior da estação. 6 - Também foram avaliados aspectos comportamentais e de humor dos membros da missão. 7 - Foram elaborados relatórios das atividades desenvolvidas na estação.
Resultados observados na estação de pesquisa Habitat Marte serão comparadas com os resultados obtidos no Mars Desert Research Station (MDRS), estação de pesquisa no sul do estado de Utah, nos Estados Unidos. Em fevereiro, no início do semestre 2018.1, na UFRN será realizado evento para compartilhar os principais tesultados.
Diogo Borges da Silva recebeu as designações de executivo-chefe e geólogo-chefe da Missão, sendo  aluno de graduação do curso de geologia. Participa de projeto da UFRN de classificação e mapeamento das Áreas de Risco no município de Maxaranguape, em parceria com a Defesa Civil do estado do RN.
Pedro Pinheiro Cabral assumiu as funções de astrônomo-chefe e jornalista da missão 1. Pedro é  graduando em Física (Bacharelado) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Bolsista de iniciação científica do CNPq com o tema de "Desidratação de Exoplanetas", tomando como base a desidratação de Marte, sob orientação do professor José Dias do Nascimento Jr., fazendo parte do grupo de pesquisa Estrutura & Evolução Estelar (G3). Possui experiência em divulgação científica com foco em público leigo e novas mídias através do projeto de sua autoria denominado "Massa Cinzenta".
Thalita Luiza Gomes Vianna, durante a missão 1 no Habitat Marte, desenvolveu as funções de cientista-chefe e oficial de saúde e segurança. É estudante de geofísica na UFRN. Sua pesquisa no Habitat Marte envolveu a análise de amostras de solo e sua mineralogia, relacionando o solo do semiárido com o solo de Marte. Tem participado de projetos de extensão, no qual  envolvem a prática de ir a campo, em municípios de risco geológico para a Defesa Civil, também no Rio Grande do Norte.

Julio Francisco Dantas de Rezende foi o comandante e engenheiro-chefe da missão 1 no Habitat Marte. O professor coordenou a missão 182 no Mars Desert Research Station (MDRS), em funcionamento na cidade de Hanksville, no sul do estado de Utah, durante o mês de novembro de 2017.  Julio Rezende,  é professor do Departamento de Engenharia da Produção da UFRN e diretor de inovação da FAPERN. É também presidente do Conselho Regional de Administração do RN (CRA-RN).

Prof. Julio Francisco Dantas de Rezende
Comandante da Missão 1 - Habitat Marte